Data base
VEM CHEGANDO A HORA DE NEGOCIAR NOVO ACORDO COLETIVO DA CATEGORIA
sem imagem

Nossa categoria começa a luta para renovarmos a Convenção Coletiva de Trabalho, com a aproximação da data-base de 1º de novembro.
O Sindicato já encaminhou à representação patronal a Pauta de Reivindicações a ser negociada, separando as demandas dos trabalhadores em econômicas e sociais.

CLÁUSULAS ECONÔMICAS

Entre as econômicas destacamos as reivindicações de reajuste salarial pelo INPC integral de 12 meses e ganho real de 5%, estabelecendo um piso salarial de R$1.391,77.
Reivindicamos também o adicional de 30% sobre o piso salarial para trabalhadores que exercem a atividade de caixa e também 30% sobre a remuneração para aqueles que exercem dupla função.

Uma das reivindicações mais importantes da categoria é o pagamento justo pela Participação nos Resultados (PR) no valor equivalente a um piso salarial, em duas parcelas iguais em janeiro e fevereiro de 2022.

É solicitada ainda a concessão mensal de 26 tíquetes refeição, no valor de R$ 15,00 cada um. Reivindica-se o pagamento das horas extras em 80%, de segunda a sábado, e de 150% nos domingos e feriados.

Por executarem suas atividades em local de risco e perigo, reivindicamos o pagamento do adicional de periculosidade de 30% para todos os trabalhadores pertencentes à categoria econômica.

Os trabalhadores reivindicam ainda um adicional por tempo de serviço de 2% da remuneração mensal para cada ano efetivamente prestado na empresa. Este anuênio representa um estímulo aos trabalhadores que permanecem na mesma empresa, demonstrando sua eficiência na atividade e permitindo o crescimento gradativo do seu padrão de vida familiar.

CLÁUSULAS SOCIAIS

A pauta de reivindicações sociais procura resguardar direitos que estão hoje duramente atacados por reformas trabalhistas constantes do Governo Federal, sendo de extrema importância que estejam estes direitos resguardados na Convenção Coletiva de Trabalho.

A pauta encaminhada pelo sindicato procura consubstanciar todos os direitos necessários para a nossa vida no trabalho e amparo às nossas famílias.

Dentre eles, procuramos definir todos os trabalhadores que pertencem à nossa categoria profissional, impossibilitar a exploração de contratos de experiência com trabalhadores com mais de 12 meses na atividade, garantir nosso descanso com a família em pelo menos dois domingos mensais, estabelecer jornada máxima de 40 horas semanais, proibição de contratação de terceirizados, estagiários e aprendizes em atividades fins, pagamento correto de salários a substitutos igual ao do substituído, cartão de ponto, contrato de experiência de, no máximo, 60 dias, regulamento de férias, pagamento de seguro em grupo, lanche padrão, uniformes e EPIs, e tantas outras que fazem parte das necessidades do trabalhador e da especificidade de nossa atividade profissional. Estas duas pautas estarão postadas em sua íntegra no site do Sinpospetro-BH.

          

[+] Veja mais noticias              Voltar para página inicial