Negociações
PATRÕES QUEREM APLICAR REAJUSTE 5 MESES APÓS DATA-BASE E EMBOLSAR DIFERENÇAS DE SALÁRIOS
sem imagem

Os patrões continuam sua sanha em aumentarem seus lucros cortando direitos e condições de trabalho nos postos de combustíveis. Como vem acontecendo todos os anos, a representação patronal arrasta as negociações de nossa Convenção Coletiva de Trabalho e não respeitam a necessidade de aplicar reajuste salarial e renovação de cláusulas econômicas em nossa data base de 1º de novembro.

Mais uma vez fomos obrigados a recusar proposta patronal, que pretende reajustar os salários e a cesta básica apenas em 1º de abril/2021 pelo INPC de 4,77% (acumulado até outubro de 2020). O piso salarial subiria de R$ 1.151,05 para R$ 1.205,4, ou seja, míseros R$ 54,90. Pretendem embolsar as diferenças salariais e de cesta básica de cinco meses (novembro/2020 a março/2021), que totalizariam uma perda de R$ 274,50. Os patrões ofereceram ainda R$ 200,00 de PLR, menos do que pretendem surrupiar dos salários por não reajustarem na data base, uma vergonha diante dos altos preços dos combustíveis e de margem estratosférica de lucro dos patrões.

A proposta indecente e escandalosamente antissocial foi rejeitada na mesa de negociações e nova reunião com o Sindicato está marcada para o dia 9 de março.

          

[+] Veja mais noticias              Voltar para página inicial